Total de visualizações de página

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Mensagem de Natal

Acima de quaisquer discussões sobre a origem do Natal, celebrar o nascimento de Jesus, e louvar a Deus pela maravilha da encarnação salvadora de Seu filho é um ato digno e esperado de qualquer seguidor do Messias. Independentemente da data do nascimento do Salvador, 25 de dezembro é o dia do calendário cristão, escolhido para marcar a celebração de tão transformador evento.

É tempo de cristãos em todo o mundo reunirem-se para narrar, cantar e destacar que em algum dia, Jesus veio frágil e humilde ao mundo, para vencer na carne o pecado, morrer e ressuscitar.

Bendito seja Deus Pai, pelo envio de Seu Filho! Que nesse Natal, possamos refletir sobre a importância de, com um coração singelo como uma manjedoura, acolhermos o Deus Filho que vem ao encontro da simplicidade e limitação, para envolvê-la de glória e significado.

Feliz Natal para todos vocês, leitores do blog Espírito Falante! Que Jesus seja acalentado em gratidão por nossos corações!

T.C.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

"O Outro lado da Cruz"

Assistam ao "Ovi ha Kora" ("O outro lado da cruz"), um documentário sobre Jesus, produzido em Israel.


sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

terça-feira, 22 de outubro de 2013

sexta-feira, 21 de junho de 2013

UM JEROBOÃO NO BRASIL?

Brasília, 21 de junho de 2013. Por volta das 21 horas, a Presidenta Dilma efetuou um comunicado em rede nacional de rádio e televisão, falando ao povo brasileiro, dentre outras coisas, que está ouvindo os clamores populares emergentes nas atuais semanas, quando milhões de cidadãos foram às ruas reivindicar justiça social e o fim da corrupção, além de outras melhorias.

A mobilização nacional já superou àquela que marcou história no impeachment do Presidente Fernando Collor de Mello, em 1992.

Foi anunciado pela Presidente Dilma que esta reunir-se-á com governadores e outras lideranças, a fim de tomar medidas em resposta aos clamores da população, tais como: aumento nos investimentos em educação, a formação de um plano nacional visando melhorar o transporte público, e a promoção de maior acesso popular às informações de gestão pública, viabilizando aos cidadãos um mais acurado acompanhamento dos procedimentos administrativos de diversas instâncias gestoras da nação brasileira.

A excelentíssima Presidenta da República deixou claro em seu comunicado que reconhece a legitimidade das manifestações populares efetuadas de modo ordeiro e pacífico, e não apenas informou estar ouvindo os clamores populares, mas também disse ser necessária uma "oxigenação" no processo político nacional.

Em linhas gerais, dela ouvimos: a condenação aos atos de violência e depredação ocorridos em meio à maioria pacífica das manifestações populares; a valorização das iniciativas pacíficas; o reconhecimento da necessidade de melhorias na gestão nacional; e o anúncio de medidas, visando atender os clamores populares e melhorar sua condição de vida.

Contudo, a partir da presente data, a nação precisará acompanhar com atenção - e com certeza o fará - o fluxo das medidas tomadas pela Presidenta, e seus resultados. Esses últimos demonstrarão o quanto, de fato, a excelentíssima líder nacional está ouvindo os clamores do povo brasileiro.

As recentes manifestações no Brasil fazem-me recordar de uma passagem bíblica, que relata uma imensa manifestação popular por parte dos israelitas, para cobrar de seu líder mudanças na gestão do reino, especialmente a redução da pesada carga tributária imposta sobre o povo.

A época era por volta do ano 975 a.C. e o soberano chamava-se Roboão, filho do, então recém-falecido rei Salomão. A passagem bíblica está registrada e I Reis 12.

Além dos problemas de gestão do "governo Salomão", havia um problema político que fez com que Jeroboão, homem valente e capaz, um jovem trabalhador, colocado pelo referido rei por chefe sobre a casa de José (I Re 11:28), fosse buscar "asilo político" no Egito, sob a proteção de Sisaque, rei desta nação, após ser ameaçado de morte pelo seu monarca (I Re 11:40).

Roboão, ao encaminhar-se a Siquém, onde todo o povo israelita reuniu-se para fazê-lo rei (I Re 12:1), viu este, na forma de seus representantes, ladeados por Jeroboão, recém-chegado do Egito, proclamar um forte protesto:

"Teu pai agravou o nosso jugo, mas agora alivia a dura cerviz de teu pai, e o seu pesado jugo que nos impôs, e nós te serviremos." (I Re 12:4)

Roboão orientou o povo que partisse e retornasse ao terceiro dia, para ouvir sua decisão. Os conselheiros mais experientes do rei, sensíveis aos padecimentos populares, disseram-lhe:

"(...) Se hoje te tornares servo deste povo, e o servires e, respondendo-lhe, disseres boas palavras, serão teus servos para sempre."

Que orientação recebeu Roboão! Seus conselheiros anciãos tentaram alertar-lhe do sentido real e profundo da liderança: o ser servo, auxiliador dos governados. Tal conselho expressa uma sabedoria divina, e foi ratificado séculos mais tarde por Jesus, que ao instruir a seus discípulos, disse:

"(...) Bem sabeis que os governadores dos gentios os dominam e que os grandes exercem autoridade sobre eles. Não será assim entre vós. Pelo contrário, todo aquele que, entre vós, quiser tornar-se grande, seja vosso servo, e quem dentre vós quiser ser o primeiro, seja vosso escravo..." (Mt 20:24-27).

Contudo, seduzido pela vaidade e pelo autoritarismo, e abandonando o sentido de liderança servidora, Roboão rejeitou o conselho dos conselheiros anciãos, e buscou dos membros mais jovens do conselho uma orientação. Esses propuseram-lhe anunciar ao povo que imporia maior jugo sobre eles que seu pai o fizera.

Pensando repousar sobre a insensibilidade política e a truculência governamental a verdadeira forma de se responder às manifestações populares, Roboão, acolheu o mau conselho e anunciou-o às massas.

A Bíblia de modo quase cinematográfico, registra a resposta popular:

"Vendo o todo o Israel que o rei não lhe dava ouvidos, respondeu-lhe: Que parte temos nós com Davi? Não há para nós herança no filho de Jessé. Às tuas tendas, ó Israel! Cuida agora da tua casa, ó Davi! Então Israel se foi às suas tendas." (I Re 12:16)

Vemos nesse relato três características dignas de destaque: 1) o governante não dava ouvidos ao povo; 2) este não via futuro digno para si na gestão de seu líder; 3) a população, ao ser ignorada, rejeitou o governo de seu líder.

Resultado: o reino foi dividido. Roboão governou sobre duas tribos (Casa de Judá), e as  outras dez tribos (Casa de Israel) foram chefiadas por Jeroboão.

Um bom líder nacional deve ser servo de seu povo, e responder bem às suas justas reivindicações. Essas posturas foram sugeridas pelos anciãos a Roboão.

A Presidenta Dilma, diferentemente de Roboão, afirmou estar ouvindo os clamores populares, e respondeu bem ao povo (no sentido de responder-lhe positivamente). Resta-nos, agora, ver na aplicação das medidas por ela anunciadas, o seu nível de comprometimento com uma liderança servidora para com a nação brasileira.

Por fim, vale ressaltar dois detalhes importantíssimos da história da relação de Roboão com o povo de Israel. O primeiro é que a resposta do referido monarca às massas, e a subsequente divisão de seu reino ocorreram em cumprimento da vontade soberana de Deus, anunciada a Jeroboão por meio de Aías (I Re 12:15). O segundo é o motivo da divisão do reinado: a adoração do povo a Astarote, deusa dos sidônios, a Quemós, deus dos moabitas e a Milcom, deus dos filhos de Amom (I Re 11:33).

Essas características demonstram que os dilemas políticos estão incluídos na soberania Divina, cause isso estranheza ou não a certos leitores. Comprovam também que a não sujeição dos líderes à vontade de Deus invoca a sua ira, a qual também pode acarretar a rejeição popular às lideranças, embora tal insatisfação popular nem sempre aconteça como consequência daquela (a rejeição rebelde de muitos israelitas à liderança de Moisés é uma prova - vide Nm 16). 

Possa Deus guardar a Presidenta Dilma e todos os demais líderes desse país, da não sujeição à Sua vontade, e das péssimas consequências que esta pode causar a eles e à população em geral.

Que a Presidente demonstre ouvir plenamente os brasileiros e governá-los com espírito servidor; caso contrário, poderemos ter em nossa nação o surgimento de um "Jeroboão", ou seja, de uma nova resposta política, emergente do seio popular.

Faz-se necessário que o brasileiro siga exigindo o fim da corrupção, uma gestão pública mais eficiente e transparente, e uma digna qualidade de vida.

Meu querido Brasil: "(...) verás que um filho teu não foge à luta.¹"


Tiago Corrêa


____________
NOTA
1 - trecho do Hino Nacional Brasileiro.


terça-feira, 4 de junho de 2013

NOVO BLOG SOBRE ADORAÇÃO CRISTÃ


 acaba de lançar um blog voltado às temáticas relacionadas à adoração cristã.

Para acessar a uma apresentação do blog, feita pelo Pastor de Ministérios e Adoração, da Providence Church, em Frisco, Texas, Matt Boswell, clique aqui.

Para visitar o novo blog, clique aqui.

Certamente, muita coisa boa vem por aí!

Abraço!

TC

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Para que os credos se temos a Bíblia?

"(...) O dr. A. A. Hodge (1823-1886) apresenta relevante observação:

Todos os que estudam a Bíblia fazem isso necessariamente no próprio processo de compreender e coordenar seu ensino; e pela linguagem de que os sérios estudantes da Bíblia se servem em suas orações e outros atos de culto, e na sua ordinária conversação religiosa, todos tornam manifesto que, de um ou outro modo, acharam nas Escrituras um sistema de fé tão completo como no caso de cada um deles lhe foi possível. Se os homens recusarem o auxílio oferecido pelas exposições de doutrinas elaboradas e definidas vagorosamente pela Igreja, cada um terá de elaborar o próprio credo, sem auxílio e confiando apenas na sua sabedoria. A questão real entre a Igreja e os 
impugnadores de credos humanos não é, como eles muitas vezes dizem, uma questão entre a Palavra de Deus e os credos dos homens, mas é questão entre a fé provada do corpo coletivo do povo de Deus e o juízo privado e a sabedoria não auxiliada do objetor individual*." 

 MAIA, Hermisten, Fundamentos da Teologia Reformada, Ed. Mundo Cristão, pgs. 20-21,  apud HODGE, A. A., Esboços de Theologia, p.99.

* ênfase acrescentada.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

O impacto transformador da leitura

A animação The fantastic flying books of Mr. Morris Lessmore apresenta, com alta qualidade de produção, uma forte mensagem sobre a transformação causada pela prática da leitura. Reflita e mostre à toda a família!



TG

quarta-feira, 10 de abril de 2013

terça-feira, 26 de março de 2013

Justificação: a diferença entre o conceito Protestante do Católico Romano (R. C. Sproul)


Peter Jackson fala sobre a continuação da série "O Hobbit"

Para quem ficou extasiado com o primeiro filme da série "O Hobbit", a continuação da saga de Bilbo rumo à Montanha Solitária promete aumentar o arrebatamento

Confira a matéria do jornal online O Globo, sobre a entrevista de Jackson a respeito de "O Hobbit - a desolação de Smaug". Clique aqui.

segunda-feira, 25 de março de 2013

Matéria interessante sobre Duchamp e a mudança nos paradigmas artísticos


Confira a excelente matéria publicada hoje (25/03/13) no site do jornal Folha de São Paulo, entitulada: Mostra que introduziu Duchamp nos EUA e deslocou eixo das artes completa cem anos. Clique aqui.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Entoando o HALLEL

Está escrito em Mt 26:30: "E, tendo cantado o hino, saíram para o Monte das Oliveiras."
E, tendo cantado o hino, saíram para o Monte das Oliveiras.
Mateus 26:30
και υμνησαντες εξηλθον εις το ορος των ελαιων
Mateus 26:"E, tendo cantado o hino, saíram para o Monte das Oliveiras."


A expressão υμνησαντες (g. imnesantes), em português: "hino", foi traduzida para o Novo Testamento em hebraico, por Franz Delitzsch, como הלל (heb. hallel). Delitzsch precisamente testemunhou a prática judaica, mantida até os dias atuais, da entoação pós-ceia pascal, do Hallel, a saber, o conjunto de salmos compreendido do 113 ao 118.

A equipe do site Cardiphonia, atentando para a proximidade da Páscoa, e em memória da reportagem bíblica dessa bela tradição, está lançando um cd com propostas melódicas e poéticas para os referidos salmos.

Vide link, clicando aqui.

Mais melodias disponibilizadas para enriquecer o culto cristão, em todo o mundo! Graças a Deus!

TC

quarta-feira, 6 de março de 2013

"NÃO DESAFINEIS..."

A precisão técnica é muito buscada e relevante para o exercício do ministério de música eclesisástica, e sobretudo para os cantores.

Embora exemplos de pessoas que levam sua vida ministerial sob o mote: "Não se preocupe, pois é para o Senhor!" ainda sejam vistos, muitos nos dias hodiernos têm acordado para a necessidade de uma busca por excelência no seu serviço a Deus.

Especificamente os cantores litúrgicos, aqueles que cuidam do canto congregacional, têm investido cada vez mais na formação musical, a fim de agregarem recursos que podem ser utilizados por Deus nas ministrações. Embora saibamos que o Senhor geralmente concede um "bônus" ao exercício ministerial e que sobrepuja a técnica acumulada, Ele constantemente usa aquilo que já pôs em nossas mãos.

A técnica vocal apurada é imediatamente percebida pelos ouvidos mais sensíveis e educados, e muitas vezes é tratada de modo diverso tanto por seus portadores - em meio aos músicos eclesiais - quanto pelos demais irmãos da Igreja.

Enquanto, como disse, ela é um auxílio importantíssimo para o exercício ministerial do ministro cantor, pode tornar-se um ídolo para ele e para os demais, ou mesmo um nível escravizador de constância prática.

Enquanto algumas pessoas, ao ouvir um cantor excelente, podem perder-se da adoração, fixando-se na admiração da sua técnica vocal, e depois fazendo elogios exagerados, os próprios cantores podem idolatrar sua excelência vocal, tornando-a o "carro-chefe" de suas ministrações. Com o tempo tendem a acabar esquecendo-se dos elementos písticos e devocionais que são, de fato, mais importantes para a sustentação de seu exercício ministerial. Não disse que a técnica vocal apurada não é importante. É e muito, mas para o ministro de canto não é o mais importante elemento que compõe sua vocação e prática ministeriais. Sua fé na obra salvífica de Deus, e sua comunhão diária com Ele são a base onde a técnica pode firmar-se como artefato agregador.

Além da tentação da idolatria ao próprio recurso vocal apurado, um cantor litúrgico pode tornar-se escravo de um padrão elevado de execução musical. Alguns cantores tornam-se tão "neurados" com a possibilidade de desafinarem, que quando isso ocorre, parecem que toda a ministração foi perdida por causa daquela "escorregada".

O princípio de que "errar é humano" parece ser esquecido por alguns ministros cantores. De fato é desconfortável desafinar, sobretudo quando isso fica muito evidencidado numa canção. Lembro-me de certa vez, ter desafinado ao fazer o back vocal num período litúrgico. Confesso que torci para que as pessoas não o tivesse percebido, e como o conjunto sonoro estava tão denso no momento, não permitindo um maior destaque de minha voz, é bem possível que "tenha passado em branco". No momento, minhas pregas vocais pareciam ter dado um nó. Mas, passando o natural desconforto imediato, Deus agraciou-me com paz para seguir servindo através do canto.

O ministro cantor deve sempre buscar louvar a Deus com júbilo e com excelência técnica. Temos o exemplo bíblico no qual Davi, ao instaurar o canto litúrgico no tabernáculo, colocou-o sob o cuidado de levitas que fosse mestres de canto (I Cr 25:7). Embora a busca por excelência seja inegociável, um ministro cantor não precisa ver-se como inapropriado para o exercício ministerial caso falhe tecnicamente em algum momento, ou possua limitações técnicas aceitáveis.

Até mesmo experientes e virtuosos cantores desafinam em algum momento. Kelly Clarkson, ao fazer um duo com Alexandre Pires, durante apresentação no Latin Grammy Awards 2003, demonstrou que profissionais do canto podem falhar. E, para os sensatos, esse fato não desfaz a verdade de que ela possui uma voz linda e um canto preciso (apreciem seu repertório e estilo ou não - não é essa a questão aqui) E nesse exemplo, ela foi traída pelo melisma¹.


Toda hora é hora para um desafino; contudo, os melismas geralmente proporcionam mais oportunidades para isso, porque ao articular a mandíbula de modo rápido e ligeiramente solto, o cantor lança-se em certo "buraco-negro tonal", crendo que sua articulação mente/estrutura fonadora funcionará de modo preciso. Acontece, e com frequência para os mais hábeis. Entretando, certamente em algum momento para esses e mais frequentemente para os menos hábeis, não ocorrerá. E então vêm as semitonadas, no mínimo, e os desafinos tonais, no máximo. Buá... É chato, de fato. 

Ah... a questão do alcance vocal também oferece palco para momentos sublimes ou trágicos no canto. Já assisti a uma cerimônia de casamento durante a qual, uma moça ousou cantar num tom muito acima de seu alcance vocal. Resumindo: ela não alcançou a nota, ficou nervosa e isso influenciou negativamente toda a continuação de sua execução. Foi trágico. Parecia querer um pó ninja para jogar aos pés, e sumir de modo rápido e minimamente doloroso. O caminho do altar ao seu banco parecia quilométrico e o instante milenar.

Cantar tem dessas coisas. Errar é humano. Desafinar faz parte das imperfeições possíveis, e como supracitado, até para os mais experientes na área. Desafinar esporadicamente não é o fim do mundo.

Vale à pena refletir acerca das palavras sensatas de Gal Costa, postadas hoje (06/03/13), em matéria da Folha de São Paulo Online, justificando seu criticado desafino, durante apresentação de sua turnê "Recanto", em São Paulo, em 2012:

"Transformei o show num acontecimento, em algo bonito. Se eu desafinei é porque estava com faringite. Quem não desafina? Todo mundo um dia desafina, ninguém é tão perfeito assim..." "(...) O ser humano não é máquina, a tendência é afinar. Eu sou afinada, agora, não vou dizer que eu nunca desafinei na vida, que João Gilberto nunca desafinou. Todo mundo pode desafinar e desafina..."

 Deixo uma mensagem para os ministros cantores, em forma de paráfrase ao texto de I João 2:1:

"Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não desafineis; e, se alguém desafinar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo."

__________________
NOTA
1 - "Melisma em música é a técnica de transformar a nota (sensação de frequência) de uma sílaba de um texto enquanto ela está a ser cantada."(Fonte: Wikipédia).

terça-feira, 5 de março de 2013

Pastor carismático versus estudante reformado (em espanhol)




OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: 

1) não creio que todos os pastores carismáticos pensam como o exemplo citado no vídeo. A crítica é à teologia distorcida também comungada por alguns deles; 

2) Sou carismático, no sentido de não ser cessacionista. Creio na continuidade da operação do Espírito Santo por meio dos dons.
 ____________

Feitas as devidas observações, urge refletirmos sobre em quais bases firmamos nossa compreensão de nós mesmos, de Deus, do Evangelho e das demais coisas.

Se um cristão é vencedor, só o é porque Cristo conquistou a vitória sobre o pecado e a morte, e concedeu-lhe a mesma, tirando-lhe da morte espiritual na qual se encontrava antes de receber a dádiva da fé (Ef 2).

Tiago Corrêa

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

V Conferência Cristianismo Autêntico – 01 a 03 de Março de 2013

Existe um motivo pelo qual nossa fé e esperança como cristãos, se mantêm renovadas: o conhecimento da verdade pela estudo da Palavra de Deus.

cristianismo autentico branco 
A Conferência Cristianismo Autêntico nasceu há 5 anos atrás, com uma proposta que, ainda hoje, tem sido sua base motivadora, pois dispõe de um espaço onde encontramos liberdade para estudarmos, pensarmos e refletirmos juntos, sobre temas de importância vital para um cristianismo integral e autêntico!




Palestrantes confirmados

- Pedro Rocha Júnior (Pedro do Borel) – Rio de Janeiro
- Igor Miguel – BH
- Rodolfo Amorim – BH
- Juan Carlos Maldonado – Buenos Aires / AR
- Márcio Martins – BH
- Pr. Edson Barbosa – Curitiba
- Pedro Jardim – BH
- Guilherme de Carvalho - BH
- Carlos Eduardo (Kaká) – BH
- Aender Borba - BH

Local: Sítio Porteira Velha a 33 Km do Bh Shopping em Moedas/BH

Investimento:
R$100,00 (incluindo hospedagem, 5 refeições, 4 coffee breaks, participação em toda a programação)

Participação musical: Anísia e Jônatas Reis; Gerar Jazz e Tiago Corrêa


Participação especial (Tango e Bolero): Roberta Ribeiro e João Carlos

Apoio:
Sociedade Bíblica do Brasil

Faça sua inscrição pelo e-mail: claudiamjgerar@hotmail.com